logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

Jamie Dornan e Anthony Mackie entraram de cabeça em uma alucinnante viagem no tempo em seu último filme Synchronic, entretanto foi mais além de brincadeiras e diversão para esses grandes parceiros de tela.

A dupla estrela como paramédicos da base de New Orleans, como Dennis (Dornan) e Steve (Mackie), quem descobre destroços daqueles que morreram diante de horríveis e mistériosas circunstâncias. No clipe exclusivo do filme lançado pela EW, a dupla chega ao cenário de um parque de diversões onde um corpo entrou em combustão espontânea. De acordo com as evidências, o que liga essas vítimas umas às outras é uma nova droga projetada chamada Synchronic.

Dornan e Mackie sentaram com o EW para explicar como foi cair naquele buraco de coelho, se eles mesmos estariam aptos ou não a provar a droga, e a experiência de gravar na cidade natal de Mackie.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Jamie, os personagens de Dennis e Steve vão em uma aventura selvagem juntos. Dito isso, o que os fãs podem esperar deles nesse filme?

JAMIE DORNAN: Dennis e Steve são esses dois caras jovens e paramédicos atraentes em New Orleans que passam por esse designer de drogas que está tendo um efeito devastador em pessoas jovens. Eles acabam diretamente ligados a causa e o dito efeito da droga e eles vão nessa jornada alucinante para encontrar o que eles precisam descobrir a fim de limpar a cidade dessa droga.

A droga transporta os usuários para vários pontos no tempo. Anthony, nos conte sobre as aventuras de Steve.

ANTHONY MACKIE: Ele volta no tempo e visita um antigo conquistador e ele também volta na era do gelo. Haviam muitos níveis interessantes a cada momento que ele ingeria a pílula e voltava para o passado. Eu gosto que os diretores Justin [Benson] e Aaron [Moorhead] não deixaram que isso influenciasse em seu presente. Quando ele visitava o passado e retornava para o presente, ele percebia como aquele momento foi valioso. Sentado aqui entrevista com você e Jamie, com cada um tendo de diferentes complexos e apectos, mostra o quão precioso é o presente. Issi é algo que eu sinto que eles acertaram em cheio nesse filme.

Anthony, gravar Synchronic na sua cidade natal foi especialmente extra para você?

MACKIE: Foi um desastre gravar lá. [Risos] New Orleans pra mim é uma cidade muito voltada para a família, então se algum de seus primos aparecem, você não pode dizer a ele para ir para casa porque você está gravando um filme. E você sabe que ele vai parar ali e trazer com ele o grill do churrasco, depois ele vai dizer a todos onde ele estava. Houveram tantas vezes que eu estava em set gravando onde tinha um primo, ou um amigo de escola que aparecia. Era hilário! Veja, New Orleans é uma das melhores cidades quando se trata de filmagem, porque você pode literalmente conseguir qualquer tipo de experiência que precisaria. Justin e Aaron fizeram um ótimo trabalho de escolher locações que mostram a dualidade da cidade dos pontos altos aos baixos. Estou orgulhoso de termos gravado lá.

Jamie, você foi convidado para os churrascos? Anthony te mostrou a cidade?

MACKIE: Não! Quando chegávamos na cidade ele ficava com medo!

DORNAN: Não, isso não é verdade! Houve muitas visitas a cassinos. Lembra Anthony quando você me apresentou ao jogo de dados? Eu lembro jogar o jogo e era tão fácil, as pessoas continuavam a me dar fichas. Eu continuei ganhando e eu não entendia como. Eu já estive em New Orleans antes por umas duas noites, mas eu estave afoito para gravar algo lá. É um daqueles lugares onde as pessoas falam com uma alegria fervorosa. Eu amei muito, as pessoas e a energia de lá.

Se uma droga como Synchronic estivesse disponível na realidade, algum de vocês tentariam provar?

DORNAN: Eu provaria 100%. Se fosse pra ter os efeitos como no filme, talvez hoje eu não provaria, mas o meu eu de 20 anos de idade definitivamente sim. Se eu soubesse que eu poderia ser levado no tempo de forma segura, acredito que todos nós provaríamos. Eu gosto da ideia de passar tempo no Laurel Canyon no final dos anos 60 com Joni Mitchell, James Morrison, e David Crosby. Aqueles caras pareciam estar se divertindo muito. Eu gosto muito daquele som folk-rock americano, então seria para onde eu iria.

MACKIE: Eu definitivamente provaria, também: sem pensar duas vezes. Eu compraria tudo! Um dos meus maiores arrependimentos é que eu nunca conheci Muhammad Ali. Eu estive no mesmo prédio que ele duas vezes, mas nunca no mesmo cômodo. Eu adoraria voltar no tempo e visitar seu auge nos anos 50 e 60 e aproveitar a oportunidade de verdade para experenciar esse nível de nobreza.

Têm muitas lições nesse filme. Elas afetaram um de vocês de alguma forma?

DORNAN: Sim. Tem um grande discurso dos meninos no final sobre viver no presente e apreciar as coisas que você tem perto de você que ressoou em mim. Espesicalmente agora em 2020, tem sido um tempo para reflexão sobre permanecer no presente, mas também olhando para o passado e pensando no que poderíamos ter mudado. Tem tido também muito tempo para pensar no futuro e como nós queremos que ele seja, mesmo muita parecendo estar fora do nosso controle. Synchronic traz de verdade a conversa sobre tempo, sua apreciação, entendimento, e respeito por ele.

MACKIE: Isso, pra mim também. Eu acho que uma das maiores lições desse filme está acontecendo agora. Se nós não aprendermos com nossos erros passados, nós vamos a cometê-los no futuro novamente. Com tudo acontecendo agora, ele [o filme] coloca as coisas em perspectiva pra mim. Ninguém tem o amanhã prometido, então aproveito cada dia no seu máximo.

Jamie, você foi um sucesso na série The Fall da Netflix. Uma pena ouvir que você teve que sair de Dr. Death. Como você está se sentindo sobre Joshua Jackson aceitar o papel?

DORNAN: Tem sido uma coisa doida com The Fall, porque foi um sucesso na BBC quando saiu sete anos atrás e agora foi lançado todas as temporadas aqui na Netflix. Me fez perceber quantas pessoas assistem mais a Netflix do que a BBC TWO, porque foi dada a essa série uma outra vida! Com Dr. Death, foi apenas uma daquelas coisas irritantes de agenda. Quando a panedemia começou estávamos a três dias do início das gravações e eu estava com toda a minha família em New York. Nós ainda temos muitos de nossos pertences no nosso apartamento lá que ainda estamos pagando. Eles foram insistentes em algumas datas que não davam pra mim de jeito nenhum, então eu tive que sair. Eu sou um fã do Joshua Jackson, gosto muito do trabalho que ele faz, então foi uma ótima escalação. Eu não sinto nada além de amor e respeito pelas pessoas daquela equipe, então é uma pena eu não estar disponível para entrar naquela jornada com eles, mas eu desejo a eles toda a sorte do mundo.

Anthony, você trabalhou em Ma Rainey’s Black Bottom na Broadway. Está animado para ver Chadwick Boseman no filme da Netflix?

MACKIE: Têm muitos atores lendários nesse filme e Chad se colocou em uma posição na época para entregar aquela performance, porque Levee é um puta de um papél. Ter Viola Davis como Ma, você não poderia pedir por um grupo melhor de pessoas para compor aquilo. Será algo especial. Nessas duas semanas passadas eu perdi dois gurus do teatro em Anthony Chisholm e Thomas Byrd quem eu tive a oportunidade de contracenar junto para August Wilson. É uma história que não deveria ser tida como levianamente e um personagem que vai mudar sua opinião sobre o que o teatro pode ser se você você assistir.


Em um ano em que a maioria dos atores foram colocados de lado pela pandemia global, a estrela do Reino Unido Jamie Dornan teve a sorte de manter um ritmo de trabalho constante. A crise internacional de saúde, no entanto, o forçou a desistir de um projeto devido a atrasos na produção. (Ele interpretaria o papel principal em Dr. Death, a série exclusiva de crimes reais de Peacock, mas desistiu no início deste mês.)

Os fãs do ator não precisam se preocupar, no entanto. Dornan tem dois filmes programados para lançamento esse ano. Ele estrela o thriller de ficção científica Synchronic, da Well Go USA Entertainment, que chega aos cinemas e drive-ins na sexta-feira, 23 de outubro, bem como o terno drama romântico de Bleecker Street, Wild Mountain Thyme, no qual ele estrela ao lado de Emily Blunt, com estreia marcada no VOD e nos cinemas sexta-feira, 11 de dezembro.

Falando por telefone de Londres, o homem de 38 anos, casado e pai de três filhas, revela que recentemente terminou as gravações de ‘Belfast’, o drama político de Kenneth Branagh sobre sua cidade natal. O filme investiga o conflito sangrento de décadas entre a Irlanda do Norte e a Grã-Bretanha, que finalmente terminou em 1998.

Dornan está animado com seus mais novos projetos, incluindo interpretar um paramédico de Nova Orleans e pai de uma adolescente, que junto com seu parceiro (interpretado pelo ator Anthony Mackie) encontram uma nova droga misteriosa que literalmente transporta suas jovens vítimas para outro tempo e volta, muitas vezes com consequências mortais. O ator explicou que, embora a ficção científica não seja seu gênero usual, ele ficou intrigado com os cineastas Justin Benson e a abordagem única de Aaron Moorhead sobre o gênero. Ele interpreta um homem de família trabalhador, cuja filha adolescente (Ally Ioannides) desaparece depois de usar a droga ilícita.

Angela Dawson: Como foi estrelar neste thriller de ficção científica Synchronic?

Jamie Dornan: Eu não me consideraria um grande fã de ficção científica, por si só, mas sinto que isso realmente despertou meu interesse. Quando li o roteiro, pensei que estava muito conectado em um nível humano. Esses personagens, nessas situações estressantes em que se encontram, pareciam tão reais. Eu também queria trabalhar com Anthony Mackie. Deveríamos trabalhar juntos há alguns anos, mas não deu certo, então eu estava ansioso para ter esta segunda chance de trabalhar com ele. Nós nos divertimos muito gravando em Nova Orleans. Anthony é de lá, então ele meio que serviu como o anfitrião não oficial para o resto de nós enquanto estávamos lá. Também estava ansioso para trabalhar com Justin (Benson) e Aaron (Moorhead), porque sinto que eles têm muito a oferecer no mundo do cinema. Portanto, foi uma decisão muito fácil.

Dawson: Você conversou com paramédicos antes de fazer este filme?

Jamie: Nós tentamos arranjar isso para que pudéssemos fazer ligações com eles, mas meio que acabou não acontecendo. Mas consegui falar com um paramédico em Nova Orleans. Eu venho de uma família médica. Meu pai é médico. Minha mãe era enfermeira. Minha madrasta é médica. Meu tio é médico. Minha tia também. Então, tive acesso a muitas pessoas da área médica em minha vida familiar. É realmente algo para ser o primeiro a entrar em cena nessas situações de emergência. Pelo que me disseram, eles se lembram de cada caso; está enraizado neles.

Imagem Divulgação: Synchronic

Em Synchronic o que eles encontram é mais intensificado. Essa droga que está na rua é dramatizada e não o que (os paramédicos) normalmente encontram ao atender uma chamada de emergência.

Dawson: Você interpreta o pai de uma adolescente neste filme. Como pai de filhas pequenas na vida real, interpretar esse papel o fez pensar sobre como será quando elas ficarem um pouco mais velhas?

Jamie: Sim. Em The Fall, eu interpretei um pai, mas os filhos eram muito mais novos. Eu tinha cerca de 30 anos quando filmei isso. Agora, sou pai três vezes desde então. Ally (Ioannides) interpreta minha filha de 16 anos. Na verdade, ela tem cerca de 21 anos na vida real. Nós apenas saíamos com ela com um dos caras no set, mas então você percebe que ela está interpretando minha filha, então foi um pouco incompreensível. Mas estou pronto para toda a série de desafios que podem surgir com minhas três meninas quando se tornarem adolescentes. Quer dizer, estou tão pronto quanto posso.

Dawson: Seu personagem, Dennis, parece ter a vida ideal – uma esposa linda e amorosa, dois filhos e um trabalho em que se destaca – mas ele não aprecia tudo o que tem. O personagem de Anthony, Steve, que é solteiro, meio que o inveja e vice-versa. Será que a grama é sempre mais verde no vizinho?

Jamie: Sim, é sobre valorizar o que você tem. Mas todos nós temos amigos que têm vidas diferentes, e você se pergunta como é ter a vida deles. Às vezes, você tem ciúmes da liberdade que outra pessoa parece ter. Mas eu sou o oposto de (Dennis). Mal posso esperar para chegar em casa e ficar com as minhas filhas e minha esposa. Então, isso foi um pouco diferente.

Dawson: Você também tem um gênero muito diferente de filme chamado Wild Mountain Thyme sendo lançado no final deste ano, no qual você co-estrela com Emily Blunt. Você interpreta um personagem muito simples e gentil chamado Anthony, que tem um pouco de medo de se apaixonar.

Jamie: Anthony está quase pronto para o mundo. Ele viveu uma vida tão protegida. Nestes tempos modernos, ele pode ser considerado “no espectro”. Há uma espécie de ingenuidade e despreparo que pode ser percebida por muitas pessoas que são lançadas ao mundo e não estão prontas para uma situação. Foi uma alegria poder trabalhar com alguém tão respeitado e reverenciado como John Patrick Shanley, que ganhou um prêmio Pulitzer de drama (Dúvida: Uma Parábola) e um Oscar (por escrever o roteiro Moonstruck). Por isso, não houve hesitação da minha parte. Fiquei chocado que ele estava confiante de que eu poderia fazer isso.

E então ele construiu este elenco incrível. Eu estava a bordo desde o início. Então, ele convenceu todas essas grandes pessoas a se juntarem a nós, como Emily (Blunt), que era uma grande alegria, e Jon Hamm e Christopher Walken. Foi um daqueles maravilhosos empregos dos sonhos. Eu sou da Irlanda, então sempre tenho muito orgulho quando começo a trabalhar em minha terra natal e recebo americanos e outros lá. As pessoas foram muito gentis e receptivas conosco naquela vila. Então, foi uma experiência incrível.

Dawson: Você também canta um dueto doce com Emily no final do filme.

Jamie: Emily é uma cantora de verdade. Eu posso meio que me atrapalhar com isso. Foi bom poder fazer isso.

Dawson: O que está acontecendo com o Belfast de Kenneth Branagh? Você ainda está em produção?

Jamie: Terminamos algumas semanas atrás. Novamente, foi uma daquelas situações de trabalho dos sonhos. Foi ótimo ter isso no meu calendário este ano; particularmente este ano. Tivemos a sorte de gravar o filme e cumprir o cronograma com segurança. Eu sou um grande fã de Kenneth Branagh.

Fonte: Revista Forbes
www.forbes.com
Texto: Angela Dawson

Informação importante: Até o momento dessa postagem não temos confirmação da data de estreia dos filmes ‘Synchronic e “Wild Mountain Thyme’ no Brasil.


error: Content is protected !!