logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

“Ainda nos sentimos jovens, certo?”:
Jamie Dornan e Carey Mulligan relembram 16 anos de amizade
.

“Jamie Dornan tem sido a fonte de muitos sonhos. Homens e mulheres têm fantasiado sobre o ator bonitão, mais comumente reconhecido como o personagem principal do grande filme de BDSM, 50 Tons de Cinza. Outros podem se lembrar dele como “o torso dourado”, um apelido que ele rapidamente ganhou durante sua carreira como modelo, aparecendo em anúncios de aumento da pressão arterial da Calvin Klein ao lado de Kate Moss. Mas para tantos personagens atraentes, sonhadores e sob controle que ele interpretou durante sua carreira em Hollywood, é seu mais recente papel na comédia romântica de John Patrick Shanley, Wild Mountain Thyme, contracenando com Emily Blunt, Judi Dench e Christopher Walken (e com trilha sonora da esposa de Dornan, Amelia Warner), onde o ator irlandês está mostrando sua habilidade de se fazer de “bobo e inseguro”, o que, como ele diz a seu amigo, o ator Carey Mulligan, se parece muito mais com o Jamie Dornan fora da tela. Os atores se conhecem há 16 anos, mais ou menos, primeiro encontraram-se no set de Orgulho e Preconceito, quando ele namorava Keira Knightley e Mulligan interpretava Kitty Bennett no filme. Abaixo, os brotinhos de longa data discutem as alegrias de atuar, a presença mística de Christopher Walken e a vida de ser para sempre jovem.” – ERNESTO MACIAS

Carey Mulligan: Oi Jamie. Como vai você?

Jamie Dornan: Estou bem. Você sabe. Como vai você? Eu sinto sua falta.

Mulligan: Estou feliz, na maioria das vezes, por não estar em Londres. Estou feliz por estar um pouco fora. Mas tem sido extraordinariamente estranho. Você não está trabalhando em nada no momento, está?

Jamie: Não, eu não estou. Eu consegui trabalhar. Eu encaixei um filme que rodamos em Berkshire, de todos os lugares. Nem é nem um milhão de milhas de onde você é, na verdade. Foi estranho filmar na época do COVID, mas estranhamente não tão estranho quanto você pode imaginar, e na verdade me senti muito grato por ter feito algo.

Mulligan: Qual foi?

Jamie: Eu fiz este filme com Kenneth Branagh, que ele escreveu e dirigiu, e ele também está no filme. Chama-se Belfast e é sobre Belfast. Muitas pessoas não sabem que Ken é de Belfast. Eu não quero revelar muito. Foi adorável e eu me diverti muito. E Catriona Balfe interpreta minha esposa, e a Dame Judi Dench interpreta minha mãe e Kieran Hines interpreta meu pai.

Mulligan: Oh, meu Deus.

Jamie: Foi realmente um grande time de atores e eu adorei.

Mulligan: Isso é ótimo. Você teve que entrar em uma grande bolha com todos?

Jamie: Você apenas ia da acomodação para o trabalho todos os dias. Testamos todos os dias e toda a equipe foi testada todos os dias, e nós superamos isso.

Mulligan: ah, sinto falta de trabalhar. Deve ter sido tão bom atuar.

Jamie: Senti essa pequena emoção por ser capaz de fazer isso. Comecei a filmar em março, e então o mundo virou de cabeça para baixo, e você percebe que estamos bem acostumados com isso agora. É apenas parte da nossas vidas nos sets.

Torna-se normal para nós ficar com essa família estranha de dois a quatro meses, ou o que quer que seja, e ver essas pessoas diferentes todos os dias. Quando tudo isso é retirado, você percebe o quanto é uma parte de você e o quanto você sente falta disso. Então, eu me sinto sortudo por ter feito esse trabalho.

Mulligan: Essa é a parte que eu sinto falta. Apenas a camaradagem e o pequeno sentimento de clube de verão.

Jamie: Eu nunca ouvi isso antes. É exatamente assim que parece.

Mulligan: Eu tenho cantado “Wild Mountain Thyme” o dia todo.

Jamie: Sinto muito.

Mulligan: Mas é uma das minhas canções favoritas –

Jamie: Não.

Mulligan: Eu fiquei muito obcecado por Kate Rusby quando eu estava em The Seagul, há um milhão de anos atrás, e ela faz uma versão realmente linda, e eu costumava ouvir o tempo todo. Assisti ao filme ontem à noite e chorei. Foi tão comovente no final. Eu amei muito. Quando você canta com seu pai quando ele está em seu leito de morte, é um aperto no peito. Foi doce.

Jamie: : Honestamente, naquela cena eu não conseguia parar de chorar. Eu juro por Deus, eu chorei o dia todo. Obviamente, eu choro na cena, mas foi tão fácil para mim naquele dia porque Chris [Walken] estava quebrando meu coração, tomada seguida de tomada.

Mulligan: Eu sabia que você tinha chegado a esse ponto, porque seu rosto parecia muito inchado e, de uma forma fantástica, foi uma das raras vezes em que você não ficou sensacional diante das câmeras.

Jamie: Eu estava sinceramente de coração partido naquele dia.

Mulligan: Como foi trabalhar com Christopher Walken?

Jamie: Bem, você sabe, mesmo ouvindo você dizer isso, parece um absurdo. Ele é um daqueles atores que são obviamente reverenciados, e não apenas reverenciado por seu trabalho, e extensão de trabalho, e por quanto tempo ele faz isso, e como suas performances são icônicas e os filmes em que ele esteve, mas ele também é uma grande figura. Além do respeito pelo quão bom ele é como ator, ele é apenas uma figura famosa e alguém de quem todos têm uma boa impressão. Ele tem essa aura e, na verdade, é o homem mais doce e gentil, bondoso e bonito. Tenho certeza de que ele não se importará que eu diga isso – ele estava tão nervoso com tudo isso, e Dearbhla Molloy, que é uma linda atriz, interpreta a mãe de Emily.

Mulligan: Ah, ela é tão maravilhosa.

Jamie: Ele disse algo para Dearbhla, e ela se virou e disse: “Chris, você é o maldito Christopher Walken.” Ele estava tipo, “Eu sei, eu sei. Mas eu só…” Ele é tão tranquilo e doce. Ele é tudo de bom. Eu amei ele.

Mulligan: Você conheceu John Patrick Shanley? Como você acabou fazendo o papel?

Jamie: : Eu conhecia John Patrick Shanley. Eu me lembrava de ter visto Moonstruck há muito, muito tempo atrás, e não me lembrava muito sobre isso, mas me lembro de ter sido um sucesso, e lembro que Cher ganhou um Oscar. Eu definitivamente estava ciente dele. Ele é uma daquelas pessoas que você não consegue imaginar de verde o porquê ele estaria ciente de mim, mas ele estava.

Quando você recebe coisas que mandam e tem o privilégio de receber ofertas, considero isso um verdadeiro elogio, mas de vez em quando você não quer fazer coisas. E também há coisas com uma pequena nota extra do seu agente que disse: “Coloque isso no topo da lista e leia primeiro.” Eu li, e semelhante a como eu acho que as pessoas respondem ao filme, eu pensei, “O que é isso? Esta é a coisa mais louca que já li, mas estou tão dentro, e estou tão emocionado com isso.” Falei com Shanley por telefone cerca de dois dias depois.

Mulligan: Porque ele é diferente de tudo que eu vi você fazer antes, certamente – ele era um personagem estranho e desajeitado. Você se sentiu atraído por Anthony porque ele é totalmente diferente de tudo que você fez?

Jamie: Com certeza. Eu diria que Anthony não está no controle de tudo, e isso está muito mais na minha zona de conforto. Eu interpretei muitos personagens na TV e no cinema. que se tratam apenas de controle. Muitos deles. Na verdade, isso está muito fora da minha zona de conforto, porque tenho uma parte muito infantil no meu ser adulto. Então, de muitas maneiras, Anthony é a personificação de toda a minha esquisitice, falhas e ansiedade social. Eu só queria dar um abraço nele durante a leitura do roteiro. Eu só quero colocar meus braços em volta desse cara e falar tipo, “Cara, está tudo bem. Está tudo bem ser assim.” Achei que seria divertido incorporar alguém que não tem os pés tão seguros.

Muligan: Eu definitivamente sinto que isso é mais do espírito do Jamie que eu conheço, além da câmera. Assistimos novamente ao Cerco de Jadotville durante a quarentena no verão, o que é, aliás, muito bom. Você está tão bom nele.

Jamie: Por que você escolheu assistir ele?

Mulligan: Foi um filme de ‘quarentena’ na noite de sábado para nós. Mas é um personagem totalmente diferente. Anthony era um pouco mais de você do que qualquer coisa que eu já vi você fazer. E eu adorei por causa disso.


Jamie: Mas essa também é a coisa mais difícil de representar, não acha? Nunca na minha vida, Cary, me senti tão exposto. Cheguei a um ponto em que eu me convenci de que carregava aquele segredo por toda a minha vida. Eu adorei isso. Não acontece o tempo todo. Nós fazemos o que fazemos e, muitas vezes, há uma desconexão entre a realidade e o faz de conta. Às vezes, ele fica embaçado e misturado. Acho que tenho muito de Anthony em mim. E também estou orgulhoso disso.

Mulligan: Te torna muito mais vulnerável quando você pode ver os paralelos entre você e aquela pessoa que você está interpretando, ao invés de ser uma pessoa completamente inventada, totalmente pensada e diferente. Isso é o que torna tão dolorosa aquela cena com seu pai. Fale comigo sobre Emily, porque eu a amo muito. Eu acho ela tão brilhante, linda e engraçada, e isso é algo totalmente diferente para ela também. Como foi trabalhar com ela?

Jamie: Eu sei que para Emily, ela estava em um ponto em sua carreira onde ela só queria fazer algo que fosse diferente de verdade. Emily é uma grande estrela de cinema, e ela faz filmes de estúdio muito grandes onde 120 milhões é um orçamento pequeno. Acho que nos últimos dois anos ela tem feito muito isso – acho que, na verdade, para ser honesto com você, ela estava procurando fazer uma peça, e esse filme é baseado na própria peça de Shanley, chamada Outside Mullingar. Sua irmã, Felicity, e Millie [Amelia Warner, esposa de Dornan] são melhores amigas, então eu meio que a conhecia um pouco. Brincamos agora porque eu a encontrei algumas vezes, e ela não se lembra mesmo de ter me conhecido. Você acredita que algum dia chegaremos a trabalhar juntos, Cary?

Mulligan: Tenho certeza que vamos. Acho que é só questão de tempo. Você não acha?

Jamie: Parece estranho. Têm alguns amigos meus com quem acho que nunca vou querer trabalhar.

Mulligan: Eu sou maravilhosa para se trabalhar. Eu sei que você também é, então acho que daria certo. Acho que você só precisa se preocupar com isso com pessoas que você sabe que são sem noção no trabalho. Eu não acho que seria uma coisa ruim para nossa amizade.

Jamie: Bem pensado.

Mulligan: E então você diz: “Sim, Cary, sei que você também é adorável no trabalho”.

Jamie: Eu digo isso quase todas as vezes que sou entrevistado: Hollywood é a menor indústria do mundo, e você conhece pessoas que são difíceis, ou manipuladoras. Principalmente homens, eu acho. As pessoas são amigas por esse motivo, tipo, “Não quero trabalhar com você, porque não quero destruir a ideia que tenho de você como amigo”.

Mulligan: : Nós dois temos feito isso há tempo suficiente para saber que não vale a pena fazer, a menos que você esteja fazendo isso com pessoas que tornam isso divertido. Eu só tenho uma regra geral agora, se eu ouvir que alguém tem uma má reputação por qualquer coisa – eles podem ser os gênios mais criativos, brilhantes, do universo – eu não quero fazer esse filme, porque eu quero ter uma boa experiência, especialmente quando você tem que deixar as crianças. Simplesmente não vale a pena passar por isso.

Jamie: Particularmente porque temos cinco filhos entre nós, eu acho.

Mulligan: Isso é loucura, Jamie. Como isso aconteceu?

Jamie: Eu estava tentando malhar, pouco antes da entrevista – nós nos conhecemos há 16 anos e meio, ou algo assim.

Mulligan: Porque nos conhecemos no projeto Orgulho e Preconceito, e filmamos isso há 16 anos.

Jamie: Meu Deus. Eu amo saber que te conheço há muito tempo, e literalmente desde o seu primeiro emprego. Eu acho muito legal, mas também é tipo, “meu Deus, faz tanto tempo”, porque ainda nos sentimos jovens, certo?

Mulligan: Por Deus, sim. Ainda me sinto um ingênua e tenho certeza de que não sou mais. Estou tão doutrinada a acreditar que sou ingênua, porque fui um por muito tempo e agora não sou mais. Eu interpreto mães. É assustador. Quando me ofereceram um papel em Wild Life, eu era uma moça de 15 anos no filme e disse a Zoe Kazan: “Zo, não sei se sou… sinto que sou muito jovem”. Eu tinha uns 33 anos e ela disse: “É, mas você não é”. E eu disse, “Oh, não. Você está certa. Fudeu.”

Photography Sophie Hur.

Fonte: Interview Magazine, Dezembro 2020.

“We Still Feel Young, Right?”: Jamie Dornan and Carey Mulligan Look Back at 16 Years of Friendship

Notícia postado por Bruna Fernandes
error: Content is protected !!