logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

Jamie Dornan e Anthony Mackie entraram de cabeça em uma alucinnante viagem no tempo em seu último filme Synchronic, entretanto foi mais além de brincadeiras e diversão para esses grandes parceiros de tela.

A dupla estrela como paramédicos da base de New Orleans, como Dennis (Dornan) e Steve (Mackie), quem descobre destroços daqueles que morreram diante de horríveis e mistériosas circunstâncias. No clipe exclusivo do filme lançado pela EW, a dupla chega ao cenário de um parque de diversões onde um corpo entrou em combustão espontânea. De acordo com as evidências, o que liga essas vítimas umas às outras é uma nova droga projetada chamada Synchronic.

Dornan e Mackie sentaram com o EW para explicar como foi cair naquele buraco de coelho, se eles mesmos estariam aptos ou não a provar a droga, e a experiência de gravar na cidade natal de Mackie.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Jamie, os personagens de Dennis e Steve vão em uma aventura selvagem juntos. Dito isso, o que os fãs podem esperar deles nesse filme?

JAMIE DORNAN: Dennis e Steve são esses dois caras jovens e paramédicos atraentes em New Orleans que passam por esse designer de drogas que está tendo um efeito devastador em pessoas jovens. Eles acabam diretamente ligados a causa e o dito efeito da droga e eles vão nessa jornada alucinante para encontrar o que eles precisam descobrir a fim de limpar a cidade dessa droga.

A droga transporta os usuários para vários pontos no tempo. Anthony, nos conte sobre as aventuras de Steve.

ANTHONY MACKIE: Ele volta no tempo e visita um antigo conquistador e ele também volta na era do gelo. Haviam muitos níveis interessantes a cada momento que ele ingeria a pílula e voltava para o passado. Eu gosto que os diretores Justin [Benson] e Aaron [Moorhead] não deixaram que isso influenciasse em seu presente. Quando ele visitava o passado e retornava para o presente, ele percebia como aquele momento foi valioso. Sentado aqui entrevista com você e Jamie, com cada um tendo de diferentes complexos e apectos, mostra o quão precioso é o presente. Issi é algo que eu sinto que eles acertaram em cheio nesse filme.

Anthony, gravar Synchronic na sua cidade natal foi especialmente extra para você?

MACKIE: Foi um desastre gravar lá. [Risos] New Orleans pra mim é uma cidade muito voltada para a família, então se algum de seus primos aparecem, você não pode dizer a ele para ir para casa porque você está gravando um filme. E você sabe que ele vai parar ali e trazer com ele o grill do churrasco, depois ele vai dizer a todos onde ele estava. Houveram tantas vezes que eu estava em set gravando onde tinha um primo, ou um amigo de escola que aparecia. Era hilário! Veja, New Orleans é uma das melhores cidades quando se trata de filmagem, porque você pode literalmente conseguir qualquer tipo de experiência que precisaria. Justin e Aaron fizeram um ótimo trabalho de escolher locações que mostram a dualidade da cidade dos pontos altos aos baixos. Estou orgulhoso de termos gravado lá.

Jamie, você foi convidado para os churrascos? Anthony te mostrou a cidade?

MACKIE: Não! Quando chegávamos na cidade ele ficava com medo!

DORNAN: Não, isso não é verdade! Houve muitas visitas a cassinos. Lembra Anthony quando você me apresentou ao jogo de dados? Eu lembro jogar o jogo e era tão fácil, as pessoas continuavam a me dar fichas. Eu continuei ganhando e eu não entendia como. Eu já estive em New Orleans antes por umas duas noites, mas eu estave afoito para gravar algo lá. É um daqueles lugares onde as pessoas falam com uma alegria fervorosa. Eu amei muito, as pessoas e a energia de lá.

Se uma droga como Synchronic estivesse disponível na realidade, algum de vocês tentariam provar?

DORNAN: Eu provaria 100%. Se fosse pra ter os efeitos como no filme, talvez hoje eu não provaria, mas o meu eu de 20 anos de idade definitivamente sim. Se eu soubesse que eu poderia ser levado no tempo de forma segura, acredito que todos nós provaríamos. Eu gosto da ideia de passar tempo no Laurel Canyon no final dos anos 60 com Joni Mitchell, James Morrison, e David Crosby. Aqueles caras pareciam estar se divertindo muito. Eu gosto muito daquele som folk-rock americano, então seria para onde eu iria.

MACKIE: Eu definitivamente provaria, também: sem pensar duas vezes. Eu compraria tudo! Um dos meus maiores arrependimentos é que eu nunca conheci Muhammad Ali. Eu estive no mesmo prédio que ele duas vezes, mas nunca no mesmo cômodo. Eu adoraria voltar no tempo e visitar seu auge nos anos 50 e 60 e aproveitar a oportunidade de verdade para experenciar esse nível de nobreza.

Têm muitas lições nesse filme. Elas afetaram um de vocês de alguma forma?

DORNAN: Sim. Tem um grande discurso dos meninos no final sobre viver no presente e apreciar as coisas que você tem perto de você que ressoou em mim. Espesicalmente agora em 2020, tem sido um tempo para reflexão sobre permanecer no presente, mas também olhando para o passado e pensando no que poderíamos ter mudado. Tem tido também muito tempo para pensar no futuro e como nós queremos que ele seja, mesmo muita parecendo estar fora do nosso controle. Synchronic traz de verdade a conversa sobre tempo, sua apreciação, entendimento, e respeito por ele.

MACKIE: Isso, pra mim também. Eu acho que uma das maiores lições desse filme está acontecendo agora. Se nós não aprendermos com nossos erros passados, nós vamos a cometê-los no futuro novamente. Com tudo acontecendo agora, ele [o filme] coloca as coisas em perspectiva pra mim. Ninguém tem o amanhã prometido, então aproveito cada dia no seu máximo.

Jamie, você foi um sucesso na série The Fall da Netflix. Uma pena ouvir que você teve que sair de Dr. Death. Como você está se sentindo sobre Joshua Jackson aceitar o papel?

DORNAN: Tem sido uma coisa doida com The Fall, porque foi um sucesso na BBC quando saiu sete anos atrás e agora foi lançado todas as temporadas aqui na Netflix. Me fez perceber quantas pessoas assistem mais a Netflix do que a BBC TWO, porque foi dada a essa série uma outra vida! Com Dr. Death, foi apenas uma daquelas coisas irritantes de agenda. Quando a panedemia começou estávamos a três dias do início das gravações e eu estava com toda a minha família em New York. Nós ainda temos muitos de nossos pertences no nosso apartamento lá que ainda estamos pagando. Eles foram insistentes em algumas datas que não davam pra mim de jeito nenhum, então eu tive que sair. Eu sou um fã do Joshua Jackson, gosto muito do trabalho que ele faz, então foi uma ótima escalação. Eu não sinto nada além de amor e respeito pelas pessoas daquela equipe, então é uma pena eu não estar disponível para entrar naquela jornada com eles, mas eu desejo a eles toda a sorte do mundo.

Anthony, você trabalhou em Ma Rainey’s Black Bottom na Broadway. Está animado para ver Chadwick Boseman no filme da Netflix?

MACKIE: Têm muitos atores lendários nesse filme e Chad se colocou em uma posição na época para entregar aquela performance, porque Levee é um puta de um papél. Ter Viola Davis como Ma, você não poderia pedir por um grupo melhor de pessoas para compor aquilo. Será algo especial. Nessas duas semanas passadas eu perdi dois gurus do teatro em Anthony Chisholm e Thomas Byrd quem eu tive a oportunidade de contracenar junto para August Wilson. É uma história que não deveria ser tida como levianamente e um personagem que vai mudar sua opinião sobre o que o teatro pode ser se você você assistir.

Notícia postado por Thici Castelo
error: Content is protected !!