logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

Por John Wenzel
The Denver Post, 12 de Novembro.

As maçãs do rosto perfeitamente anguladas e a linha do queixo de Jamie Dornan, a barba por fazer e os olhos como lasers azuis suaves o precederam quando ele entrou na sala de conferências do Four Seasons Hotel na quarta-feira, menos de uma hora antes de andar no tapete vermelho na estreia de seu novo filme no Festival de Cinema de Denver filme, “Belfast”.

“Eu realmente queria passar a noite em Denver, mas simplesmente não vamos conseguir fazer isso acontecer”, disse Dornan, 39, que acabara de pousar em Los Angeles. “Eu sempre me lembro daquele filme‘ Coisas para fazer em Denver Quando Você Está Morto’ quando penso em Denver, que tinha o incrível Andy Garcia nele. O que é engraçado é que acabei de vê-lo na estreia de ‘Belfast’ em Los Angeles na segunda-feira.”

A turnê de imprensa agitada de Dornan para “Belfast” está zumbindo enquanto o filme chega aos cinemas dos Estados Unidos e Canadá na sexta-feira, 12 de novembro. Tendo estreado mundialmente no Festival de Cinema de Telluride em setembro, o encantador filme em preto e branco já está colecionando rumores do Oscar por seu retrato nuançado da cidade natal do diretor e roteirista Kenneth Branagh, e como ele brilhantemente captura a vida de uma classe trabalhadora da cidade em 1969.

Ter os nativos de Belfast, Dornan, Ciarán Hinds (como o patriarca da família Pop) e o radiante Jude Hill de 11 anos (como o personagem principal / jovem Branagh substituto Buddy) ajudou a trazer uma autenticidade da Irlanda do Norte ao filme, disse Dornan: e até permitiu que ele injetasse um pouco de sua história pessoal em seu papel como ‘Pa’.

“Venho de uma longa linhagem de homens de Belfast, que costumam ser casados com mulheres do campo, como minha mãe”, disse Dornan. “Ela estava perdida. A história da minha família é bastante doce, porque literalmente não há influência externa de qualquer lugar além da Irlanda, então me sinto 100% irlandês. Muito do trabalho que você normalmente está colocando em um papel para descobrir ou se sentir confortável com quem você está retratando não era necessário.”

Apesar de ter surgido como o escultural e sombrio Christian Grey na trilogia de filmes “Cinquenta Tons de Cinza”, Dornan já havia provado seus fundamentos dramáticos em projetos de palco e tela, especialmente “The Fall” da Netflix (em que interpretou um assassino em série para três temporadas) e em seu primeiro papel espetacular para o público americano, como o xerife Graham em “Once Upon a Time”, da ABC.

Mas a comédia dramática de “Belfast” e seu tema muito real – os violentos “Troubles” entre protestantes e católicos nos bairros da classe trabalhadora de Belfast – teve que ser resolvido cedo por Branagh. Como contar a história de uma família – incluindo a vencedora do Oscar Judie Dench como avó e a atriz irlandesa Caitríona Balfe como mãe – em meio à alegria, tristeza e tensão do dia a dia? Como encontrar um tom que pareça realista, mas que não afogue os espectadores em uma peça de época implacavelmente nublada?

A universalidade do filme está em seu foco na família e na perspectiva de “Penauts” do personagem principal, de baixa estatura. Pacifistas apanhados no meio de conflitos tribais e guerras civis, colocando-se em risco como resultado, ainda precisam viver suas vidas cotidianas. Crescer assistindo Westerns em cinemas e ver seus pais como ídolos da matinê igualmente icônicos e intocáveis é tão verdadeiro para Buddy quanto para Branagh e incontáveis outros. Assim como perceber que a vida pode ser brutal e que as famílias podem encontrar esperança e resiliência conquistadas a duras penas em meio a tudo isso.

“Tivemos tantas pessoas vindo até mim, Ken e todos do elenco dizendo como isso os lembrava de sua infância, e a maioria deles não é de nenhum lugar perto de Belfast”, disse Dornan. “No fundo, é sobre aquela família tentando lidar com situações e divisões sem precedentes e seu futuro, que ressoou de uma forma adorável.”

Dado o tempo do filme, os problemas do mundo real ajudaram ainda mais a empreitar os locais de gravação do filme — muitos deles complicados, ou abertamente devastadores. Como a primeira produção no U.K que começou durante a COVID, de acordo com Dornan, a locação norte-irlandesa de gravação estava fora de questão. Com os efeitos da quarentena, residentes não poderia ser realocados de suas casas, e qualquer locação de gravação se transformou em viagens remotas com uma pequena equipe para Belfast. Dezenas de testes de COVID, quando finalmente disponível, foram administrados cada dia para o elenco e equipe em um elaborado set construído na Inglaterra.

Dia 15 de Março, o médico pai de Dornan faleceu por conta de complicações da COVID, adicionando uma outra nota trágica ao histórico familiar (sua mãe faleceu de câncer pancreático quando ele tinha 16 anos; Dornan é agora casado e com três filhas). E antes e durante tudo isso, ele foi requerido a tomar uma decisão relacionada a sua família de “Belfast’.

“Ken fez uma coisa verdadeiramente adorável nos ensaios, onde ele nos colocou sentados pela primeira vez cara a cara, então nos perguntou várias coisas sobre nossa infância. Algumas delas eram muito expostas,” contou Dornan. “Aquela vulnerabilidade foi uma maneira ótima de quebrar barreiras e colocar-nos todos confortáveis uns com os outros. Pessoas choraram e ficaram tipo, ‘Eu não falava disso desde a terapia!’.”

Com muita improvisação e um diretor solidário, Dornan disse que sentiu-se mais confortável no set de Belfast do que em qualquer outro projeto que ele já trabalhou, ainda mais atuando com grandes lendas como Dench e Hinds.

“Você está sempre se sujando quando entra em qualquer cena como um ator, e se você não se suja, você não deveria entrar,” ele conta. “Mas eu me senti livre nesse filme, com base na atmosfera que Ken criou. Tudo meio que elevado, e apenas o suficiente para mostrar o ponto de vista de Buddy sobre a vida.”

Fonte: The Denver Post, 2021.

Notícia postado por Bruna Fernandes
error: Content is protected !!