logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

No mundo de Barb & Star Go to Vista Del Mar, se por acaso você for um agente secreto charmoso que brigou com a mulher que você ama, só há uma maneira razoável de expressar seus sentimentos: correr indo e voltando por toda a praia cantando uma balada poderosa para gaivotas. Isso é exatamente o que Jamie Dornan faz com níveis admiráveis e absurdos de comprometimento na comédia de Kristen Wiig – Annie Mumolo como Edgar Paget, o interesse amoroso de ambas as mulheres. Ele corre. Ele gira. Ele bate seus dedos dos pés na areia com fervor. Ele até rasga sua camisa pólo azul-esverdeada com uma fúria, o que “foi constrangedor, porque na maioria das vezes, eu não conseguia nem rasgá-la”, disse Dornan a Vulture.

Dornan é mais conhecido por seus papéis ultra-sérios e pesados ​​em The Fall e Cinquenta Tons de Cinza , mas descobriu que ele tem um lado bastante bobo, que ele abraça neste filme extremamente bobo. Na verdade, se as coisas tivessem acontecido de maneira diferente antes das grandes estréias, ele poderia até mesmo ter acabado fazendo uma carreira fazendo esquetes cômicos, já que uma de suas primeiras tentativas de fazer sucesso em Los Angeles envolveu lançar blogs de comédia. Com Barb e Star no VOD, Dornan conversou com Vulture para discutir técnicas de rasgo de camisa pólo, o final da reviravolta para Wild Mountain Thyme e como ele pode cantar “tanto quanto qualquer ator babaca”.

Preciso começar com a grande canção de Edgar, porque é muito exagerada e deliciosa. Quanto disso estava no script?

No roteiro, havia apenas duas linhas de direção de palco dizendo “Edgar então apresenta uma balada emocionante, à la Footloose.” Então eu conversei com o diretor Josh Greenbaum duas semanas antes de irmos ao México para filmar, e ele continuou falando sobre esse grande número musical, e eu disse: “Que porra é essa? Não me lembro de nada sobre um número musical. ” Então eu tive que voltar através dele (roteiro), e aquelas duas linhas se tornaram uma coisa grande. Kristen e Annie escreveram as letras disso, e quanto mais perto eu cheguei, maior eu percebi que a coisa toda era. Eu estava tipo, eu vou me jogar nisso o mais violentamente possível e me divertir com isso. Eu tenho um lado muito bobo onde senti que eu era totalmente capaz de expressar naquela música.

Você passa a música correndo para a frente e para trás pela praia e girando e pulando, o que é muito bobo, mas também fisicamente impressionante. [Para movimentos como os grandes saltos altos, eles usaram um dublê de corpo] Foi coreografado? Você mesmo inventou?

Um pouco dos dois. No final do dia, tudo se tratava de tornar as coisas engraçadas. Kristen e Annie estavam lá, e Josh estava lá, e nossos produtores eram pessoas muito engraçadas, e todos eles estavam tipo, “Qual é a maneira mais engraçada de fazer isso?”, a primeira tomada, em que corro pela praia fazendo uma coisa engraçada com as mãos, foi apenas eles dizendo: “Faça o que parece certo”. Ele está passando por um momento de partir o coração, então eu poderia simplesmente pressioná-lo ao máximo. Eu estava apenas me jogando por dois dias. Estava tão quente que eu tive que trocar de camisa a cada tomada, porque eu estava suando muito.

Bem, por falar em camisas, quantas camisas pólo você destruiu para a foto em que Edgar rasga a camisa ao meio?

O mais envergonhoso é que na metade das vezes eu não conseguia nem rasgar! Pedi ao produtor de figurinos para cortar na parte de cima para ser mais fácil de rasgar, mas acho que eles não cortaram a parte de baixo, então na primeira tomada eu estava muito confiante no início, e então peguei uma segunda e fiquei preso no final, então eu estava tentando pular para fora de uma forma patética. Mas então fizemos mais duas ou três tomadas onde eles cortaram a parte inferior para que eu pudesse realmente fazer funcionar.

Eu vi uma entrevista em que Kristen disse que ela e Annie escreveram o roteiro com um ator do tipo “Jamie Dornan” em mente para Edgar antes de enviá-lo para você. Como foi para você ler esse roteiro? Você não tinha feito nenhuma comédia de alto perfil antes disso.

Eu nem tinha participado de comédias discretas! Mas quando eu consegui um agente pela primeira vez e vim para Los Angeles e outras coisas, eu estava fazendo algumas conexões do tipo comédia. Eu estava falando com Funny or Die e ia fazer um blog para eles que eu ia escrever. É para onde eu sentia que estava indo antes de interpretar um psicopata serial killer em The Fall. Então você não está recebendo ligações sobre comédia.

Eu estava ansioso para entrar um pouco no ringue com a comédia durante toda a minha carreira, e senti que não havia lugar melhor para começar do que com esses caras. Eu não tinha aprendido que eles tinham essa ideia de mim em mente antes de fazer o filme. Conhecíamos algumas pessoas iguais, tínhamos alguns amigos em comum e acho que algumas pessoas foram legais e disseram que eu era engraçado. Eles disseram que assistiram um pouco de mim em programas de entrevistas e me tiveram ideia de como eu sou. Eu disse sim com base no título do roteiro. “Há um filme chamado Barb e Star Go to Vista Del Mar? Estou dentro!” Achei que fosse um lugar real. Minha geografia dos estados é decente, mas pelo que sei, há um lugar na costa da Flórida chamado Vista Del Mar. Eu fiquei tipo, “Vocês já foram a Vista Del Mar?” E eles disseram: “Não é um lugar real”.

Como alguém que ganhou a vida escrevendo blogs, tenho que perguntar quais eram suas idéias de blogs de comédia para Funny or Die.

A primeira coisa que escrevi foi uma versão engraçada sobre dirigir bêbado em Los Angeles. Isso foi antes de o Uber existir, como em 2003, se você tivesse um telefone celular, não havia aplicativos, e táxis em Los Angeles eram ridículos. Foi um pesadelo, então todos tomaram um drinque e dirigiram por aí, então eu tive essa ideia de monotrilho. Você colocaria seu carro nele. Foi tão estúpido! Mas eles estavam meio interessados? Acho que nunca publicamos sobre isso, mas estava indo nessa direção. E então, você sabe, outras coisas acontecem.

Para ser justo, isso é basicamente apenas o Elon Musk Hyperloop.

Eu poderia ter descoberto algo! Talvez eu pudesse ter feito uma fortuna.

Você cantou em Barb e Star, cantou em Wild Mountain Thyme, até cantou em Fifty Shades Freed.  Você está fazendo campanha para fazer um musical?

Eu deveria fazer um musical este ano, e algumas coisas aconteceram e eu tive que sair do projeto. Eu sempre digo que posso cantar tanto quanto qualquer outro ator idiota. Todos nós podemos cantar um pouco. Se aparecer em um roteiro e for necessário para contar a história, sou totalmente a favor. Não sou um cantor bom o suficiente para fazer um musical completo. Mas eu amo musicais e amo teatro musical. Só não pensei nisso por mim. Mas você nunca sabe!

Você tem um musical favorito?

Tenho três filhas com menos de 8 anos e, antes de termos filhas, minha esposa e eu fomos ver Matilda. Éramos as únicas pessoas que não tinham filhos. Nossa mais velha tem 7 anos e no seu sexto aniversário, quando não havia uma pandemia, nós a levamos para ver Matilda. Eu trabalhei com Tim Minchin [em Robin Hood de 2018], que escreveu a música para o projeto. É simplesmente mágico! É a coisa mais divertida que já vi no teatro.

Eu também amei aquele musical do Dia da Marmota que Tim Minchin escreveu.

Não recebi amor suficiente! Eu sei! Eu concordo.

Para Barb e Star, você usa seu próprio sotaque como Edgar. Essa foi sua escolha? Os diretores? De Kristen e Annie?

Quando eu fiz vídeo chamada com Josh Greenbaum pela primeira vez, perguntei a ele, por que nunca mencionou nada no roteiro de como Edgar fala. Ele era quem dizia: “Você se sentiria bem fazendo isso com seu sotaque?” Eu sou da Irlanda do Norte e meu personagem se chama “Edgar Pagét”, então é muito ridículo. Nunca conheci ninguém com um nome nem perto daquele de onde eu venho. Acho que isso só aumentou o absurdo de tudo. Eu tinha esquecido qual era seu sobrenome até que a Lionsgate me enviou um pequeno clipe que eles ião lançar. Eu estava tipo, “Espere, o nome dele é Pagét?”

Em termos de se comprometer totalmente com ideias absurdas, em Wild Mountain Thyme seu personagem revela no final do filme que se acha uma abelha. Como ator, como você aborda interpretar um momento como esse?

Você apenas tem que fazer a si mesmo acreditar. Essa cena tem mais de 20 páginas na cozinha com Emily, e levamos três dias para filmar. Então, naquele ponto, eu estava totalmente convencido de que era Anthony Reilly e achava que era uma abelha. Eu planejei, mas realmente chorei quando disse isso. Eu estava em um lugar muito estranho e mágico. Parecia que estava soltando essa informação, como se finalmente pudesse respirar.

Naquela manhã, eu disse para John Patrick Shanley o diretor, “Por sinal, ele realmente acha que é uma abelha?” Ele estava tipo [com um sotaque anasalado americano], “Bem, todo mundo pensa que é algo que não é”. Eu estava tipo, “Eles gostam, Shanley?” Shanley é um gênio do caralho, mas ele também é estranho. Acho que nunca pensei de fato que fosse outra coisa além de… um cara. Mas ele disse com certeza e eu pensei, vou abraçar essa ideia.

Você também retornou recentemente à Irlanda do Norte para fazer o filme Belfast com Kenneth Branagh. É baseado na infância dele, pelo que eu entendo, mas também deve ter parecido familiar para você de várias maneiras.

Não importa onde eu more, Belfast é meu lar, e sempre será. Eu não moro lá há 19 anos, mas ainda estou lá o tempo todo. Então, quando alguém como Kenneth Branagh diz que vai fazer um filme chamado Belfast, foi um trabalho dos sonhos. Filmamos em tempos estranhos. Eles puderam filmar algumas coisas externas e algumas aéreas em Belfast, mas na verdade filmamos tudo na Inglaterra, o que foi a coisa mais louca, logisticamente, com o COVID. Mas sempre que puder trabalhar lá, vou. Meu amigo e eu escrevemos um roteiro na quarentena que se passa em casa (Irlanda) que esperamos fazer em 2022. Há outra coisa que espero fazer lá no próximo ano também.

Bem, também houve um boato de que você poderia aparecer em Derry Girls , outro importante produto da Irlanda do Norte.

Um produto cultural da Irlanda do Norte muito importante! Eu conheço Lisa McGee, que a criou, nós trocamos um e-mail hoje sobre algo na verdade. Nós conversamos sobre eu tentar fazer fazer algo e meio que nunca deu certo com as locações e quando eles filmam, e estou sempre fora. Eu gosto da ideia de aparecer naquele show, e acho que é genial, e isso me deixa muito orgulhoso. Quando ouvi pela primeira vez sobre um programa chamado Derry Girls , pensei: como alguém fora da Irlanda vai entender o coloquialismo dele? Mas isso vai mostrar o quanto transcendeu tudo. Você nunca sabe, mas é preciso alinhar tudo com os horários. Definitivamente sou um grande fã.

Notícia postado por Bruna Fernandes
error: Content is protected !!