Há mais de 08 anos sendo sua maior e melhor fonte sobre Jamie Dornan na América Latina
Jamie Dornan e elenco de Belfast sentam com TheWrap para falar sobre o filme.
15
12
21
postado por JDBR


Kenneth Branagh sobre como a história de ‘Belfast’ ecoa hoje, de Brexit a Washington

“Esta posição de ‘Ou você está conosco ou você está contra nós’ não permite compreensão ou movimento”, diz o diretor-escritor.

Esta história sobre “Belfast” apareceu pela primeira vez na edição Race Begins da revista de premiação The Wrap.

Os diretores têm explorado suas memórias de infância na tela por décadas, e a lista de honra de filmes notáveis ​​que vieram dessa exploração vai de “Os 400 golpes” de François Truffaut a “American Graffiti” de George Lucas e “Au Revoir les” de Louis Malle Enfants ”a“ Almost Famous ”de Cameron Crowe, de“ Hope and Glory ”de John Boorman a“ Roma ”de Alfonso Cuarón. O escritor-diretor-ator Kenneth Branagh já experimentou o gênero, e dizer que “Belfast” traz à tona o que há de melhor nele seria um eufemismo.

Visualmente deslumbrante, emocionalmente angustiante e gloriosamente humano, “Belfast” pega um curto período da vida de Branagh, começando no verão de 1969, e encontra nele uma história de amadurecimento, um retrato de uma cidade se fragmentando em um instante, e um lamento profundamente comovente pelo que foi perdido durante décadas de conflito em sua terra natal, a Irlanda do Norte.

Branagh sentou-se com TheWrap para falar sobre seu filme ao lado de alguns membros do elenco que trouxeram suas memórias para a tela: o recém-chegado Jude Hill, de 11 anos, como Buddy, um garoto obcecado por filmes que é claramente um substituto de Branagh, que tinha 9 anos em 1969; Caitríona Balfe como “Ma”, uma mulher criando dois filhos em um bairro amigável de Belfast que repentinamente explode em violência sectária; Jamie Dornan como seu marido, “Pa”, que sempre viaja para a Inglaterra a trabalho e quer tirar seus filhos de um ambiente cada vez mais perigoso; e Ciarán Hinds como “Pop”, o avô de Buddy. (Judi Dench interpreta sua esposa, “Granny”, mas não conseguiu fazer a viagem para Los Angeles.)

Kenneth, o que o fez querer contar uma história autobiográfica?

KENNETH BRANAGH: Bem, eu estava terminando “Death on the Nile” e foi interrompido pelo COVID. Tudo o que esperávamos fazer foi interrompido. Eu estava fazendo anotações sobre uma história sobre Belfast, porque inicialmente pensei que talvez pudesse fazer algo com meus avós quando eles eram jovens. Minha avó costumava falar sobre quando ela estava no final da adolescência, quando ela era algo do que você pode chamar de uma mulher rápida. Eu pensei, talvez haja uma história lá, mas eles se foram e eu não poderia voltar a eles e resolver isso.

Mas eu continuei voltando para a partida de nossa família de Belfast, o que foi uma grande coisa. E isso foi um bloqueio. Ambas as extremidades da nossa rua foram bloqueadas, o que é uma imagem que nunca me deixará. Era um dia normal, então isso aconteceu e você saiu pela porta e literalmente não consegue sair da rua. Foi uma transformação completa. Então, estávamos no meio de nosso bloqueio e as imagens desse outro bloqueio começaram a voltar e vazar.

Lembrei-me de como minha vida mudou quando ouvi o som do que pensei serem abelhas. Eles não eram, eles eram turbas rebeldes. Em 20 segundos, a direção que minha vida tomaria mudou completamente. E decidi que voltaria àquele incidente e descobriria o que uma criança de 9 anos poderia pensar sobre isso.

Ciarán, o que você lembra daquela época?

CIARÁN HINDS: Eu tinha 16 anos. Foi emocionante e depois ficou muito escuro. Estava muito presente, mas estávamos um pouco distantes por causa do lugar onde morávamos. Na verdade, não se espalhou até nós até vários anos depois, quando algumas bombas explodiram e duas pessoas foram mortas no complexo comercial perto de nós. Mas a ascensão real (para Branagh), você estaria mais perto do problema.

BRANAGH: Mas até nós tínhamos aquela sensação que você tinha – que estava acontecendo nas proximidades, mas estávamos obtendo a maior parte de nossas informações e imagens da televisão.

HINDS: Sim. E auditivamente, porque você ouviria. Você ouviria como as explosões estavam perto. E então havia tiroteios à noite, e você ouvia os ricochetes nas colinas que cercavam o Belfast Lough (uma enseada no porto de Belfast).

JAMIE DORNAN: Oh, Deus, sim. Mesmo onde eu cresci, em Holywood, eu estava bem no Belfast Lough. E se houvesse uma bomba em qualquer lugar na grande Belfast, nossas janelas tremeriam e você pensaria que tinha acontecido em nossa rua. Tínhamos essa sala da frente que tinha uma janela que de alguma forma sobreviveu. Nós nos mudamos no final de 1986 e pensamos: “Provavelmente teremos uma nova janela, aquela parece cansada”. Moramos lá por 25 anos, nunca mudamos aquela janela. Mas costumava explodir sempre que havia uma explosão.


Lembro-me de uma antiga namorada que era inglesa – isto é em tempos de paz, você sabe, poste o Acordo da Sexta-Feira Santa em 1998. Estávamos sentados lá e havia um barulho na janela. E eu disse: “Isso é uma bomba”. Ela disse: “O que você quer dizer?” Eu disse: “Espere 15 minutos e verifique as notícias”. Com certeza.

Caitríona, você não cresceu no Norte – mas você ficou perto da fronteira, né?

CAITRÍONA BALFE: Sim. É engraçado, eu me lembro quando tinha cerca de 13 anos, eu e minha amiga Sandra estávamos em um lugar no centro de Monaghan chamado Dinkins. Há três andares, e costumávamos comprar nosso café ou o que quer que fosse, e depois subíamos até o último andar e furtávamos cigarros. ( Para Jude Hill ) Nunca faça isso.

Mas houve um susto de bomba em Monaghan naquele dia. Não percebemos porque estávamos no topo, mas todo o centro da cidade, onde ficava esse café, havia sido limpo e havia polícia por toda parte. Estávamos lá fumando. Descemos 45 minutos depois e minha irmã me encontrou e eu levei um tapa na cara, porque eles estavam me procurando e a cidade inteira estava fechada.

Jude, você sabia muito sobre isso neste período na Irlanda do Norte?

JUDE HILL: Eu não sabia nada sobre os problemas ou católicos ou protestantes, porque uma criança da minha idade não saberia realmente sobre isso, a menos que seus pais ou avós fossem afetados por isso. Mas acho que conforme você crescer, provavelmente aprenderá, tipo, no ensino médio. Acho que é uma parte muito importante da história da Irlanda, mas para uma criança da minha idade é uma história antiga.

Bem, quando eles começam a ensinar na escola, você pode dizer: “Eu sei disso – eu já fiz um filme sobre isso”. Kenneth, quão complicado é essencialmente escalar personagens que são baseados em você e sua família?

BRANAGH: O principal instinto era que não me importava que se tratasse de uma reconstrução documental. Houve alguns incidentes que eu queria definitivamente incluir, mas eu sabia que, se quisesse ter uma vida em outro lugar, precisava ser algo muito diferente.

Lembro-me de conversar com nosso cabeleireiro e maquiador, que pediu fotos de nossa família. Eu disse: “Você pode ficar com eles, mas eles realmente não precisam ser vistos assim”. Não é terapia pura. Já passei por isso, por assim dizer. Agora estamos tentando fazer um filme que possa interessar a mais pessoas.

Sou um pouco mais velho que você e cresci muito longe de Belfast, no sul da Califórnia. Mas devo dizer que quando vi Caitríona no filme pensei: “Minha mãe costumava se vestir assim”.

BALFE: Há uma certa ferocidade nas mamães irlandesas, mas nos últimos dias tantas pessoas de todo o mundo me disseram: “Eu reconheço minha mãe nela”.

Vocês trabalharam muito juntos antes de filmar? Parece uma família – entre Ciarán e Judi, você pode sentir todas as décadas em pequenas falas ou gestos.

HINDS: Acho que Ken nos colocou em uma situação, nos manipulou sem que percebêssemos .

BRANAGH: Não acho que alguém possa realmente manipular este grupo.

HINDS: Ele nos deu o espaço da sala para nos ouvirmos e nos conhecermos muito rapidamente, com a narrativa de nossa própria infância em cima da mesa de imediato. “Como foi sua infância? Como se sentiu?” Então nos conhecemos muito rapidamente, uma hora depois de nos encontrarmos.

DORNAN: Totalmente. É exposto e revelador. E difícil. Mas é uma ótima maneira de derrubar quaisquer paredes que possam estar lá. Acho que muito da beleza da dinâmica familiar e da autenticidade dela já estava na página. E crédito a Ken por sentir que esta é uma mistura de pessoas que trabalhariam bem juntas e seriam reais como uma família. Quando você sente essa confiança, que você é essas pessoas – e não qualquer família, a família dele ou a versão da família dele – essa confiança é importante e facilita você.

HINDS: E meio que lindamente focadas, talvez por causa do COVID – por causa dessas barreiras que estavam na forma de comunicação em nosso dia a dia, já que estávamos usando máscaras e nos mantendo separados. Quando viemos nos encontrar, o foco era meio imediato e dinâmico e não podia ser desperdiçado. Não havia tempo para brincar. O jogo continuou, mas apenas continuamos nos dirigindo.

BRANAGH: Judi teve uma grande e forte influência nisso. Ela é brincalhona, está pronta, está interessada e muito aberta sobre o medo. ( Para Hill ) Você ficou com medo, aliás, no primeiro dia em que entrou?

HILL: Eu estava realmente empolgado, mas por trás de toda aquela empolgação, estava um pouquinho assustado. Eu estava tremendo antes de entrar. Mas assim que vi todos vocês, fiquei à vontade.

DORNAN: E nossa primeira cena juntos, estávamos apenas caminhando. Foi basicamente como um teste de câmera. Vamos dar um passeio, mas você nem consegue ver a câmera – tirou um bocado da pressão.

BRANAGH: Muito disso vem de descobrir como eu não poderia ficar nervoso como ator. Você não começa na segunda-feira de manhã, porque eu não durmo bem no domingo à noite. Você começa em uma quinta-feira à tarde. Vamos apenas descer esta rua para esta primeira cena. Mas, Jude, quando você diz: “Pai, vamos ter que sair de Belfast?” é uma linha muito importante. E há um nível de preocupação que você pode ter por causa dos nervos do primeiro dia, uma certa vulnerabilidade que parece real.

HILL: ( para Dornan ) Lembro-me do primeiro dia em que te conheci, estava encontrando o resto da equipe na base doméstica. E você estava com um boné, óculos e um lenço em volta da boca para que ninguém soubesse quem você era. Eu estava conversando com alguém e você me deu um tapinha no ombro e disse: “Estou brincando com o seu pai.” E eu disse, “O quê?”

DORNAN: ( rindo ) Deve ter sido uma máscara. Eu não usaria um lenço na cabeça!

HILL: Eu não sabia quem diabos você era.

DORNAN: Você não tem televisão?

Jamie e Caitríona, só conhecemos vocês no filme como Pa e Ma. Você pensou em nomes que compartilhou entre si ou que guardou em segredo?

BALFE: Não, estranhamente não fiz. Talvez devesse, mas acho que há algo adorável em ser apenas Ma, então aceitei. Acho que é diferente para cada trabalho, mas havia algo nela que parecia tão reconhecível. Eu a entendia e não sentia que precisava criar uma história de fundo.

DORNAN: Para mim, o pai de Ken se chamava Billy e temos um Billy Clanton no filme que é o inimigo. Então, eu realmente não poderia concordar com isso. Mas eu acho, assim como Caitríona, que existe uma universalidade nisso. Embora eu me lembre de que houve algumas vezes, principalmente se estivéssemos improvisando, quando pensei: “Ele usaria o nome dela aqui”. Mas eu não tinha um para você, então tive que trabalhar em uma maneira de chamar sua atenção sem usar seu nome.

O filme é muito específico na forma como começa, dizendo a você a data exata em que esses eventos aconteceram: 15 de agosto de 1969. Mas, ao mesmo tempo, a história de uma comunidade que está dividida não é estranha aos dias de hoje.

BRANAGH: Provavelmente, infelizmente, é sempre um bom momento para um filme como este. Desde tempos imemoriais, temos essas histórias – “Romeu e Julieta” viria à mente como um exemplo de uma história ditada, nesse caso, por lealdades às famílias, sendo a posição tribal que você assume que atravessa tudo e diz: “Não estarás com alguém do outro lado.”

Mas essa posição de “ou você está conosco ou contra nós” é tão abrangente e tão intransigente que não permite compreensão ou movimento. E, infelizmente, estamos na versão mais recente disso. E a velocidade com que a violência pode ocorrer, a velocidade com que uma multidão pode se alimentar da adrenalina que esses tipos de posições podem assumir – vocês viram neste país no dia 6 de janeiro deste ano, quando algo aconteceu em Washington que vocês poderiam não imaginei decolar dessa forma.

Então eu acho que sim, as pessoas falam muito neste país sobre as coisas estarem polarizadas. Mas em nosso país saímos de um período em que tentamos tomar grandes decisões por meio de um único voto de sim ou não no Brexit, acreditando que isso poderia reduzir algo complexo a algo compreensível. Esta parte do mundo, a Irlanda do Norte, foi particularmente esquecida junto com muitas outras partes significativas de como tal arranjo teria um impacto.

E tudo nasceu da carga emotiva de ter uma aliança. No caso do Brexit, era: “Só queremos nosso país de volta”, que não entendi. Mas não havia muito espaço para o entendimento acontecer porque esse tipo de debate se tornou muito polarizado. E isso não nos fez muito bem. Então, talvez este filme reflita um pouco disso.

Fonte: TheWrap, Dezembro 2021.


error: Content is protected !!