logo
Sejam bem vindos ao Jamie Dornan Brasil, sua principal fonte de notícias sobre o ator Jamie Dornan – mais conhecido pel oseu papel de Grey, em Cinquenta Tons de Cinza – no país. Aqui você encontrara informações sobre seus últimos projetos, entrevistas traduzidos, uma galeria refleta de fotos e muito mais. Não somos o Jamie e não possuímos qualquer contato com o mesmo. Não temos contato com seu agente, amigos ou familiares. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos. Todo o conteúdo encontrato neste site pertence ao JDBR até que seja mostrado ao contrário. Aproveite todo o conteudo disponível e volte sempre!

Jamie em nova entrevista ao Metro News Rússia falou sobre ‘Endings Beginnings’ e como o amor pode ser difícil.

Você consegue entender uma heroína com uma vida pessoal tão confusa?

Como fica claro no início do filme, ela acabou de terminar um longo relacionamento, e promete a si mesma não se precipitar em ir para novos braços, e também parar de beber. Ela quer mudar sua vida pela aposta. No entanto, quase imediatamente depois disso, ela conhece dois caras que também são melhores amigos. E ela começa a ir até o seu limite. Ela está tentando descobrir se pode amar e confiar novamente. Esta é uma história maluca cheia de uma grande variedade de emoções.

Um caso com dois homens ajuda uma garota a se entender?

Seu relacionamento com Frank pode ser considerado mais destrutivo. Ao contrário de Jack, este é um personagem tão inquieto. Jack é positivo, tudo em sua vida é estável. Frank é mais reservado, enquanto Jack, por outro lado, é fácil de conversar. Em suma, Frank é negativo e Jack é positivo. Analisando suas emoções, Daphne percebe que uma parte de seu ser anseia por Frank, mas Jack atende às necessidades de sua alma na mesma medida. Essa luta de sentimentos ocorre nela durante todo o filme. Cada um dos caras dá a ela algo próprio.

Este filme, em certo sentido, explora o amor como um fenômeno. Como começa, como se desenvolve. Foi interessante para você entender esse problema?

Acho que todo mundo tem sua própria história de relacionamento, onde nem tudo foi fácil. Às vezes, o que parece perfeito em palavras não fica tão bom atrás de uma porta fechada. Além disso, cada um tem sua própria ideia de amor.

Você acha que existe amor perfeito?

Eu não sei. Estou muito feliz na minha vida pessoal, mas talvez do ponto de vista das outras pessoas, não somos um casal perfeito. O que funciona para mim em um relacionamento não necessariamente funciona para outra pessoa. O amor é difícil. Ao longo da vida, as pessoas muitas vezes encontram o amor, às vezes pensando que é isso, ou aquilo mesmo – e de repente acaba… Então esse sentimento surge de novo, mas com matizes diferentes. Com cada nova pessoa, o amor é diferente a cada vez.

Parece que você não está agindo de acordo com a situação, mas vivendo, como se suas observações surgissem aqui e agora.

Em parte é. Porque o diretor Drake Dorimus sempre espera que os atores improvisem. Foi muito engraçado quando o roteiro foi enviado para mim, e eu pensei que era apenas um esboço e pedi a versão completa. O agente disse: “É isso”. Para você entender, era um texto de 60 páginas. Em algum lugar os diálogos foram explicados, e em algum lugar foi simplesmente indicado: Jack fala sobre por quê o mundo funciona assim… Naquela mesma noite liguei para Drake e disse que iria atuar em um filme. (Risos)

E como foi no final?

As primeiras tomadas seguimos o roteiro, mas então Drake disse: “Não, não olhe o que está escrito na página, vamos tentar falar com nossas próprias palavras”. A princípio foi terrivelmente assustador, mas depois, ao contrário, a restrição desapareceu, a leveza apareceu. Eu até acho que mais filmes deveriam ser feitos dessa forma. Adorei o processo. Você se concentra na própria situação, o que é um pouco estranho. Claro, isso não é para os fracos de coração. (Risos) Mas assim que você pega a onda, as sensações são incríveis.

Como você acha que alguém deve ser salvo do amor infeliz ou, como dizem agora, do amor tóxico?

Acho que, para amar alguém, você deve primeiro aprender a respeitar e aceitar a si mesmo. E Daphne está apenas embarcando nessa jornada. Acho que muitas pessoas serão capazes de se reconhecer nesta situação. O amor próprio é muito importante. Amor próprio não é o mesmo que narcisismo ou complacência. Em primeiro lugar, significa ter a vida nas mãos, ter a certeza de que é uma pessoa forte e boa. Acredite em você com firmeza.

Que emoções os telespectadores sentirão?

Acho que os espectadores verão um reflexo de suas vidas. Não sei como vão se sentir – não sou fã de predizer: “você vai sentir isso e aquilo”, mas sei que há personagens muito vivos e reconhecíveis. Há muito real, talvez demais. (Risos) Acho que o público vai ver, e a história de Daphne vai tocá-los e fazê-los pensar. Este filme dá esperança, que sempre inspira. E, claro, é um lindo filme, como sempre com Drake. Só pelas cenas com a bela e talentosa atriz Shailene Woodley, vale a pena assistir a este filme.

Fonte: Metro News Rússia.

Notícia postado por Thici Castelo
error: Content is protected !!